quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Crianças, papai e mamãe vão se separar.


Autor: Victor Nicolino Faria - Psicólogo - CRP 06/98407
E-mail para contato: victor.nicolino@hotmail.com

    Informar aos filhos sobre a separação não é uma tarefa fácil para os pais, pois para duas pessoas decidirem se separar uma longa estrada é percorrida. Estrada esta que contempla decisões envolvendo questões práticas, financeiras e principalmente emocionais. Na maioria dos casos algum tipo de mágoa persiste após a decisão do casal ou de uma das partes em promover o fim da relação, e a existência dessas mágoas é o que coloca em risco a saúde física e psicológica das crianças.
    Independente dos motivos que levaram o casal a optar pela separação, a questão de comunicar aos filhos sobre esta decisão merece cuidado e parceria por parte do casal. Muitos pais ou mães acabam comunicando às crianças exatamente os motivos que os levaram a tomar essa decisão, sem filtrar essas informações de acordo com a idade que as crianças apresentam.
    Dizer a uma criança de 5, 7 ou 10 anos que papai e mamãe estão se separando porque umas das partes cometia adultério, porque não havia vida sexual na relação, ou simplesmente porque um odeia o outro acaba sendo extremamente negativo para a vida da criança. A célebre frase "Eu não sou feliz aqui em casa com vocês e estou saindo para ser feliz", que muitos pais dizem aos filhos enquanto arrumam as malas, acaba sendo um desastre para uma criança pequena.
    Dependendo da idade, o filho não tem condições psicológicas de entender os verdadeiros motivos da separação, as emoções envolvidas, e as diversas variáveis que fazem parte desse cenário. As informações que podem ficar para a criança, dentre um n número de possibilidades, são: "papai ou mamãe não gostam de mim"; "eu fiz algo errado e por isso ele está saindo de casa"; "eu não me esforcei o suficiente para ser um bom filho"; "agora que não tenho família, nada mais vale a pena".
    A comunicação da separação, que por si só já abala em diferentes graus a vida dos filhos, precisa ser planejada e acordada entre o casal. O que dizer, como dizer e quando dizer são questões chave para a formulação dessa parceria que tem como meta final a felicidade e o bem estar das crianças. Durante a comunicação, é fundamental que o casal demonstre e evidencie de todas as formas possíveis que os papéis de pai e mãe continuam inabalados, e que eles permanecerão unidos nessa tarefa.
    Outro aspecto importante que o casal precisa estar atento é não demonstrar sentimentos negativos um pelo outro diante das crianças, além de deixar claro para os filhos o diálogo e o respeito que existem tanto entre os pais como entre pais e filhos. Por fim, a demonstração de carinho, suporte e amor para com os filhos é imprescindível nesse momento da família, para minimizar os efeitos da perda na vida prática e psicológica da criança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário