quarta-feira, 6 de março de 2013

Sentimento de culpa, como lidar com ele?


Autora: Renata Nery Burgo – Psicóloga, Coach, escritora e diretora da POTENS Desenvolvimento - CRP 06/72.581



    Vivemos em um mundo que pessoas consideradas bem sucedidas e realizadas, são super-humanas, perfeitas física e emocionalmente. Acompanhar esse parâmetro de excelência social, em que o desejo da perfeição se tornou obsessão, é uma tarefa difícil e muitas vezes utópica. Inclusive para nós mulheres que exercemos diversos papéis na sociedade, e conciliar filhos e carreira é um dos grandes dilemas dos dias de hoje.
    Mas, é insano pensar que podemos estar alinhados ao 'aceito' o tempo todo, mesmo porque o bom e o correto geralmente são subjetivos e mutáveis. Cometemos deslizes com certa frequência e usualmente sentimos culpa por não nos adequar a esses princípios impostos. Sentimos culpa por não estarmos com nossos filhos, por não ter uma carreira de sucesso, por comer muito, por comportamentos ou falas inapropriadas e por aí em diante.
    Não bastasse as culpas clássicas, temos uma nova angústia tomando grande força no mercado mundial, a culpa da desinformação. Sofremos por não acompanhar os noticiários do dia ou as tendências da nossa área de atuação.
    Naturalmente o saudável ser humano, dotado de uma estrutura psíquica adequada, sente culpa; pessoas que sofrem de transtornos psicopatológicos são imunes a esse sentimento e perigosas para a sociedade.
    A culpa pode ser interpretada como benéfica desde que auxilie na convivência social e seja o impulsionador para o crescimento humano. No entanto, valorizar demasiadamente suas falhas, erros e imperfeições podem fomentar sentimentos de insegurança, inferioridade e incompetência, trazendo um peso emocional doloroso e avassalador.



A culpa e as pessoas

    Pessoas que são norteadas pelo sentimento de culpa geralmente possuem autoestima baixa e acreditam não merecer os triunfos da vida. Cobram-se muito, possuem uma preocupação excessiva com a opinião dos outros e se auto sabotam, como uma forma de puniçãoQuem sente culpa, sente-se culpado de sentir essa culpa!

É possível sim conviver melhor com esse sentimento

    O primeiro passo é Pergunte-se e reflita:

- Estou fazendo o meu melhor dentro da minha realidade?
- Tenho como fazer de outra forma?

    Para que você possa administrar a culpa, fazendo com que ela trabalhe ao seu favor é importante que você: 

1) Valorize seus talentos

Faça uma lista dos seus principais talentos, escreva-os no papel e pense como eles podem ser utilizados e melhor aproveitados no seu dia a dia.

2) Aceite suas imperfeições

Todos cometem erros. Qual é o foco que você está dando para o erro? Encarando-o como aprendizado e desenvolvimento ou se 'chicoteando', transformando-o em maior do que ele é? Assuma seus erros e tente se superar, melhorar a cada dia. O erro é natural e quem não erra não faz!

3) Peça perdão

O perdão é importantíssimo para você se livrar da energia negativa que reprime a sua vida. O ato de perdoar tem tudo a ver com você e nada a ver com o outro. Perdoe com o coração e se liberte para o novo! Mas, perdoar a si mesmo é tão importante quanto perdoar os outros.

4) Persista

Apoie-se em suas conquistas e não em seus fracassos. Insista, persista, lute, foque na mudança e no seu bem-estar. O fracassado não é aquele que erra e sim aquele que desiste! Acredite que você merece e vá buscar o que deseja.

5) Apoie-se na fé

Independente da sua religião ou crença a fé é um importante aliado nessa caminhada.

6) Procure ajuda profissional

Acha difícil fazer isso sozinho? Procure ajuda profissional. Existem excelentes psicólogos, coachs e terapeutas que podem lhe ajudar nessa questão.

    É importante que você aprenda com a experiência e se comprometa com a mudança!

    Simplifique sua vida!







Nenhum comentário:

Postar um comentário