quarta-feira, 1 de maio de 2013

Super-mães profissionais



Autora: Renata Nery Burgo – Psicóloga, Coach, escritora e diretora da POTENS Desenvolvimento - CRP 06/72.581

    Conciliar o trabalho com a maternidade ainda é um dos principais desafios enfrentados por nós mulheres; mas com algumas atitudes pontuais e simples é possível, buscar esse equilíbrio.





    É verdade que ganhamos um bom espaço no mercado de trabalho nos últimos anos e que mostramos uma competência peculiar ao darmos conta das duplas e às vezes triplas jornadas diárias; tornamo-nos super-mulheres e fazemos muito mais coisas que um dia imaginaríamos realizar; mas é verdade também que ainda enfrentamos questões antigas relacionadas ao papel de mãe e de profissional.

    Parece-me que o sentimento de culpa que aflora em cada mãe é inevitável. Mesmo com tanta responsabilidade e sobrecarga de trabalho, mães que trabalham fora se sentem culpadas por pressentirem ser apenas coadjuvante da vida dos seus pequenos, enquanto que mães que trabalham muito em casa, sentem culpa por não terem dado continuidade às suas carreiras e agora com os filhos maiores, julgam estarem perdidas e desatualizadas.

    Também sou mãe e confesso que por algumas vezes, passei por esses intrigantes dilemas da vida moderna. Claro que o equilíbrio é saudável, mas acredito que não exista uma resposta ideal para essas questões, já que as pessoas e crianças possuem necessidades diferentes; no entanto sugiro que, antes de você mãe e profissional, tomar qualquer decisão, ouça o seu coração, ele sabe o que é melhor para você e para a sua família.

Trabalho sem culpa

   Agora, para as mães que trabalham fora e sentem culpa por isso, tenho uma boa notícia: uma pesquisa realizada no Brasil, pela psicóloga Cecília Russo Troiano, com 500 crianças e jovens, aponta que os pequenos se adaptam muito bem as duas realidades; isso quer dizer: se for uma opção sua e você está feliz com a decisão, trabalhando fora ou em casa, seu filho se adequará aos fatos e seu desenvolvimento não será prejudicado.



   Outra pesquisa realizada pela Universidade da Carolina do Norte, com 1.364 mães, concluiu que as progenitoras que trabalham fora de casa, apresentam menos episódios de depressão e problemas de saúde.

Planejar é preciso

    Para você que quer ter uma carreira bem sucedida e também ser uma mãe dedicada é importante planejar os próximos passos profissionais e a maternidade, para que você consiga se estruturar de maneira prática e curtir cada fase da vida. Não permita que os acontecimentos dominem você, trace esses estágios.

    E se precisar de ajuda, saiba que existem profissionais especializados em coaching que podem lhe assessorar.


Mães e Profissionais





Mães que trabalham fora, geralmente precisam encontram formas criativas de equilibrar a vida profissional e familiar. 

Acompanhe algumas dicas interessantes que podem lhe ajudar a administrar esses dois importantes papéis:


1)   Organize sua agenda semanal

Depois do nascimento dos filhos, as tarefas se multiplicam e para que você tenha o controle da situação, crie uma lista com as atividades que precisa realizar ao longo da semana, tanto de casa como do trabalho, definindo os dias e horários para cumpri-las. Escreva-as em uma agenda, celular ou computador, isso lhe dará mais segurança e organização na rotina.

2)   Preocupe-se com a qualidade e não quantidade

Depois de um dia exaustivo de trabalho, chegue em casa e privilegie o convívio com os seus filhos. Seja presente, reservando um período na sua agenda para brincar e curti-los intensamente.
Saiba que a qualidade é mais importante do que a quantidade na relação entre mãe e filho.
Mostre para o seu filho que é importante para você o trabalho e que SEMPRE voltará para ficar com ele.




3)   Descentralize as responsabilidades.

Hoje, muitos pais assumem o cuidado com as crianças de forma natural. Independente se você mora ou não com o pai do seu filho, é preciso ter uma conversa franca com ele, para dividir as tarefas.

Encontre também pessoas da sua confiança que possam facilitar a sua vida e ajudá-la nesse trabalho.


4)   Dê autonomia para seus filhos

Criança deve receber muito amor, mas não pode ser totalmente dependente da mãe, é prejudicial para ele.
  
Dê autonomia para o seu filho, ensine-o e incentive-o a fazer pequenas tarefas sozinho. Importante para ele se desenvolver e para você não se sobrecarregar.

  5)   Cuide-se

Para desempenhar o papel de mãe, profissional, esposa e amiga você precisa estar bem com você mesma; então, alimente-se bem, cuide da aparência e reserve um tempinho na sua agenda só para você. De vez em quando, faça algo que lhe dê muito prazer: encontro com as amigas, fazer um hobby, dançar, passear.

  6)   Nada de substituir a ausência

Muitas mães que se sentem culpadas por trabalharem fora, tentam ‘compensar’ seus filhos com presentes ou ‘omitem sua autoridade’ na hora de educá-los. Não faz bem para a criança ter todas as suas vontades atendidas, elas precisam de limites e você precisa aprender a dizer não.

Para construir um vínculo afetivo e saudável entre vocês, mostre sempre para o seu filho o quanto você o ama, assim você também contribuirá para o desenvolvimento, a autoconfiança e autoestima do pequeno.



E não se esqueça, impor limites também é uma forma importante de dar amor.

Simplifique sua vida!

Nenhum comentário:

Postar um comentário