quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Dormir de lado é a posição menos agressiva para a coluna


Flex do Brasil compilou informações de saúde com fisioterapeuta especialista em coluna para dar dicas sobre as posições mais comuns de dormir

O fisioterapeuta Fabiano Carvalho, a pedido da Flex do Brasil, empresa detentora das marcas de colchão de mola SimmonsFlex e Epeda, avaliou algumas das posições mais comuns nas quais as pessoas dormem. Segundo o profissional, que tem 14 anos de experiência, dormir de lado é a posição menos agressiva para a coluna, pois mantém a integridade da postura e permite uma noite de sono mais tranquila e reparadora, além de prevenir dor das costas e outros problemas.

"As horas de sono são de extrema importância para a qualidade de vida e o bem estar. Quando dormimos de lado, devemos usar um travesseiro na altura do ombro e outro entre os joelhos levemente flexionados para manter toda a coluna mais alinhada, da cervical até o quadril". Para conforto extra, ele dá a dica de abraçar um terceiro travesseiro e, ao escolher colchão de mola, dar preferência para um de mola ensacada, tecnologia que se adapta melhor às formas estruturais do corpo.

Para o fisioterapeuta, é importante preservar as curvaturas fisiológicas da coluna vertebral durante o dono. Isso previne o aumento do estresse na área com menos compressão nos discos intervertebrais, assim como uma melhor nutrição e reparação desta parte do corpo. "Uma má postura ao dormir pode aumentar o risco de hérnias discais e outras complicações no disco e corpo vertebral, como a escoliose", destaca.

Costas e bruços


Para quem dorme de costas ou de bruços e não consegue se adaptar a dormir de lado, há maneiras paliativas de diminuir o impacto diário de oito horas de sono na coluna. Conforme informa Carvalho, quem dorme de costas deve usar um travesseiro baixo para evitar a projeção da cabeça para a frente, minimizando as complicações cervicais e dores no pescoço. Outra recomendação é um segundo travesseiro embaixo dos joelhos, proporcionando uma leve flexão do quadril, o que deixa a lombar mais estabilizada e não tão curvada.
Já para quem dorme de bruços, uma má notícia: é a pior posição, independente da sensação de conforto que alguns sentem. Mas um travesseiro bem fino embaixo do umbigo e nenhum travesseiro sob a cabeça podem tirar um pouco da pressão lombar. Um outro alerta diz respeito aos que não apenas dormem assim, mas também deixam o braço embaixo do travesseiro, resultando num pinçamento na região do ombro, uma das principais causas de tendinite.

A Flex do Brasil está entre as cinco maiores fabricantes de colchões do Brasil e todas as suas marcas, com diferentes linhas e medidas, são 100% certificadas pelo Inmetro. A companhia faz parte do Flex Bedding Group, um dos dez maiores do mundo na fabricação de colchões com mais de 100 anos de história. Opera em sete países com fábricas próprias e atende grandes redes varejistas como Carrefour, Macy's, Bloomingdales, El Corte Inglés, Harrods, entre outros, além das maiores redes de hotéis.


Sobre o Grupo Flex
A Flex do Brasil é uma empresa especializada na fabricação de colchões e comercializa as seguintes marcas: Simmons, Flex e Epeda. 100% dos seus colchões têm certificação do Inmetro, o que atesta a qualidade dos seus produtos, proporcionando aos consumidores mais saúde através de um sono reparador. Membro do Flex Bedding Group, de origem espanhola, a Flex do Brasil iniciou suas atividades no país em 2000 e hoje possui fábrica em Limeira, interior do Estado de SP. O Flex Bedding Group opera em sete países com operação e fábrica próprias: EUA, Chile, Portugal, Espanha, Reino Unido. Brasil e Cuba, atendendo a grandes redes varejistas como Carrefour, Macy's, Bloomingdales, El Corte Inglés, Harrods, entre outros, além de atender também as maiores redes de hotéis no Brasil e no mundo. O grupo tem mais de 100 anos de história, é líder de vendas na Espanha e está entre os 10 maiores do mundo na fabricação de colchões, camas articuladas, edredons, travesseiros, roupas de cama e mobiliários para dormitórios. Mais informações: www.flexdobrasil.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário